terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Formação para Profissionais: Qualificação Oeradores de Equipamentos - Empilhadores - Ilha de São Jorge


Veja todas as informações em:





Região quer “manter a autenticidade” para consolidar destino turístico

A secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo afirmou hoje, em Angra do Heroísmo, que os Açores devem consolidar o destino turístico através da sua qualificação e do destaque das caraterísticas que permitem manter a autenticidade da Região.

Marta Guerreiro, que falava no final de uma reunião com a Câmara de Comércio e Indústria de Angra do Heroísmo, frisou a necessidade da existência de “mais atrações, mais pontos de observação das paisagens açorianas, mais atividades ligadas ao turismo de natureza, que é uma aposta muito importante para o Governo Regional”, contribuindo para atenuar a sazonalidade do destino, enquanto uma aposta na divulgação de produtos que potenciam as particularidades da Região.

Ainda sobre a qualificação dos serviços turísticos, está previsto o desenvolvimento de ações que concorram para a qualificação da oferta turística da Região através da aposta na formação, da qualificação e incremento dos pontos de interesse turístico, da reestruturação dos postos de turismo com a aquisição de equipamentos e materiais que permitam melhorar a prestação de serviços de informação aos turistas.

Relativamente aos produtos a desenvolver na ilha Terceira, a secretária regional realçou que, para além de um turismo de natureza, em terra e no mar, o trabalho será continuado numa perspetiva de evidenciar “as particularidades de cada uma das ilhas”, dando destaque às “questões da cultura, do património, das festividades, sem nunca esquecer a parte gastronómica e do vinho”.

Os mercados alvo são, sobretudo, a Alemanha, Reino Unido, Holanda, Escandinávia, França, Espanha, Itália, Portugal, Canadá e EUA para um segmento de casais jovens, famílias com filhos e reformados.

Nesta deslocação à Terceira, a titular da pasta do Turismo reuniu com representantes de empreendimentos turísticos e agentes de viagens da ilha, dando continuidade à política de proximidade com as entidades do setor, já iniciada nas ilhas do Pico e do Faial, e que envolverá todas as ilhas do arquipélago.


Fonte: + Central


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Atualização do IMI para prédios comerciais chega em abril

Este ano, os prédios ligados à indústria, comércio e serviços sofrem uma atualização extraordinária do imposto. O valor deverá ser pago no mês de abril.

Os prédios ligados à indústria, comércio e serviços sofrem uma atualização extraordinária do imposto, na fatura do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) relativa a 2016 e que, nas próximas semanas, vai ser apresentada aos proprietários.

De acordo com o “Jornal de Negócios” desta segunda-feira, o valor fiscal que será agora atualizado, uma “correção técnica”, segundo o especialista da Deloitte Ricardo Reis, implica efetivamente um aumento na tributação do património. Questionado sobre o número de prédios em causa, o Ministério das Finanças não respondeu.

A atualização do imposto para estes prédios industriais e comerciais advém daquilo que foi estipulado no Orçamento do Estado para 2016. Desde o ano passado que estes imóveis passaram a ter atualizações automáticas do imposto a cada três anos.


Fonte: Jornal Económico


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

UGT, Câmara de Comércio e Federação Agrícola querem rever pacote fiscal

A Câmara de Comércio e Indústria dos Açores, a UGT e a Federação Agrícola vão propor ao presidente do executivo açoriano negociações para rever o pacote fiscal da região.

"Pedimos uma audiência na terça-feira ao presidente do Governo dos Açores para apresentar um pacote fiscal. Acreditamos que com este documento e com a concertação destas três entidades, muito representativas da economia açoriana e dos empregadores, poderemos no futuro ter resultados mais risonhos", declarou Sandro Paim, presidente da Câmara de Comércio e Indústria dos Açores.

Sandro Paim, também presidente da Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo, falava em conferência de imprensa em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, onde estiveram os responsáveis da UGT/Açores e da Federação Agrícola, e das câmaras de comércio de Ponta Delgada e da Horta.

Os Açores beneficiam ao abrigo da Lei de Finanças das Regiões Autónomas de uma redução fiscal de IVA, IRC e IRS que pode ir até aos 30% dos valores praticados a nível nacional.

Sandro Paim referiu que se perspetiva que no plano anual da região "o investimento público cada vez mais será menor".

"Sem o crescimento do investimento privado nós não conseguiremos atingir os objetivos a que nos propomos em termos de economia e emprego. Aliás, o que se tem vindo a assistir é que alguns partidos propõem medidas mancas porque não têm uma perspetiva global do que pode ser o pacote fiscal", considerou.

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada, Mário Fortuna, explicou que não vai ser proposto "nada que altere a Lei de Finanças Regionais", mas uma "adaptação dentro dos limites em que a região pode exercer a fiscalidade".

Além da revisão da fiscalidade nos Açores, a UGT, Câmara de Comércio dos Açores e Federação Agrícola consideram que existe uma "presença excessiva da representação pública governamental e demais entidades políticas e públicas", o que "está bem patente" em organismos como o Conselho Regional de Concertação Estratégica e conselhos de ilha.

Aquelas entidades sustentam que estes organismos "não têm funcionado de forma minimamente satisfatória" e, "muitas vezes, contrária ao disposto nas suas próprias competências".

Nesse sentido, defendem a desgovernamentalização do Conselho Regional de Concertação Estratégica, devendo este ser presidido por uma personalidade eleita por uma maioria de dois terços no parlamento dos Açores, como acontece no país e na Europa.

As três entidades vão também "apresentar oportunamente" propostas legislativas de criação do Conselho Económico e Social e de revisão dos conselhos de ilha.


Fonte: Lusa / Açoriano Oriental


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Desembarques aumentaram 9,2% em Janeiro

No mês de janeiro de 2017 desembarcaram nos aeroportos dos Açores 79.785 passageiros, um aumento de 14,4% face ao mesmo mês de 2016.

A ilha com maior número de passageiros desembarcados no mês de janeiro foi a de São Miguel com 44.701, seguida da ilha Terceira com 19.317 e Faial com 4.760.

Contudo, a ilha que apresentou maior crescimento homólogo foi a ilha do Pico com 24,2%, seguindo-se as ilhas do Corvo com 21,8%, das Flores com 19,4%, da Terceira com 18,0%, de São Jorge com 17,2% e de São Miguel com 14,7%.

Na Graciosa, registou-se um aumento na ordem dos 9,2%, com 1.826 desembarques. Nos embarques, foram registados os mesmos 1.826, no entanto a variação homóloga positiva foi de 16%.

Em Janeiro de 2017, a Graciosa foi escalada por 51 aeronaves, que trouxeram cerca de 4 toneladas e meia de carga e 3 toneladas de correio. Da Graciosa saíram, por via aérea, 726 Kg de correio e quase 5 toneladas de carga.


Fonte: Rádio Graciosa


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Nova Oferta de Emprego


Boas notícias para quem está desempregado!!!

Existe uma nova oportunidade de emprego 
na Ilha São Jorge, através da bolsa de emprego da CCAH!

Inscreva-se na Bolsa de emprego através do link: http://www.ccah.eu/bolsa/ 
e disponibilize o seu Curriculum Vitae.

Não perca tempo e agarre hoje mesmo o seu futuro!!!

Para mais informações: http://www.ccah.eu/


Trilhos com excesso de visitas começam a ficar desgastados

Na Terceira, o aumento do turismo e da procura de trilhos pedestres está a sobrecarregar algumas zonas.

Há mesmo alguns percursos em que os estragos já são visíveis.

Os guias pedem mais intervenção das entidades oficiais e alertam para o desgaste que pode ser irreversível.



Fonte: RTP/A - Telejornal